Quais são as tendências de TI que podem impactar o seu negócio?

Data 30/04/2019
Tendências de TI

Inteligência Artificial (IA), Analytics, Internet das Coisas (IoT), nuvem e mobilidade. Esses são termos comumente citados em conteúdos sobre tecnologia e de grande interesse tanto para profissionais da área de TI quanto para usuários das ferramentas, ainda mais em tempos de transformação digital, que trouxe abordagens disruptivas sobre padrões de comportamento até então consolidados.

Reforçando a relevância também para as organizações, os assuntos foram mencionados na edição anual da pesquisa Tech Trends, realizada pela Deloitte há 10 anos. Em sua última publicação, com o tema “Além da fronteira digital”, o relatório trouxe importantes conclusões sobre o cenário atual, em que a inovação fala mais alto e está nas prioridades do corpo C-level. O estudo revelou oito novas tendências de tecnologia como transformadoras para as empresas e essenciais para os CIOs. Confira:

Tendências de TI

1 – Forças macro em atividade

Primeiramente, a pesquisa deixa claro que, com o passar de suas edições, algumas tendências foram se consolidando e hoje possuem larga escala de usabilidade. É o caso da nuvem e do Analytics, que, segundo o relatório, são tecnologias fundamentais não apenas para a TI, mas para a estratégia empresarial e, mesmo assim, ainda estão, em alguns casos, sendo inexploradas e desarticuladas.

Por outro lado, existem novas tendências surgindo, como realidade virtual, tecnologias cognitivas e blockchain (protocolo da confiança). Há algumas edições do relatório, a realidade aumentada vem sendo estudada por sua capacidade de transformar a interação das pessoas com o ambiente e com os próprios dados, juntamente com a necessidade de confiar nesses sistemas e ter uma plataforma cada vez mais segura.

As tecnologias cognitivas foram apresentadas e relacionadas com a aprendizagem de máquinas, em inglês, machine learning (ML), e a Inteligência Artificial. De acordo com a pesquisa, automação robótica de processos, processamento de linguagem natural, redes neurais e IA passarão de incipientes recursos de silos para princípios de estratégia, com profundo potencial para negócios e sociedade.

2 – Organizações alimentadas por IA

O estudo da Deloitte propõe que as organizações reavaliem como colaboradores e tecnologia estão interagindo dentro do ambiente de trabalho, principalmente com base nas conquistas vindas através da Inteligência Artificial. Além disso, segundo o relatório, para se tornar uma verdadeira organização movida por IA, os executivos também devem considerar a implementação de ML e outras ferramentas cognitivas de maneira sistemática em todos os processos empresariais e operações corporativas essenciais para apoiar a tomada de decisões orientada por dados.

Da mesma forma, a pesquisa afirma que a Inteligência Artificial pode impulsionar novas ofertas e modelos de negócios. À medida que as tecnologias de IA se padronizam rapidamente entre os setores, tornar-se uma organização abastecida por dados será mais do que uma estratégia para o sucesso: poderá se tornar uma questão importante de sobrevivência. Afinal, a IA já é famosa por trazer grandes benefícios como melhorar os produtos e otimizar operações internas e externas.

Nesse sentido, de acordo com o relatório, mais e melhores insights entregues de forma autônoma podem levar ao aumento da produtividade, maior eficiência e menores custos operacionais. Inclusive, no contexto da IA, esses três podem se mostrar ainda mais úteis. Isso se considerarmos que a IA autônoma poderia alimentar outras oportunidades, incluindo conformidade regulatória aprimorada, personalização em massa de produtos e serviços e inteligência de ativos.

3 – NoOps em um mundo sem servidores

NoOps são ambientes super automatizados, em que desenvolvedores não dependem das operações de TI (Ops), o que para a Deloitte é mais um estágio na evolução da computação em nuvem. Nesse aspecto, o estudo revela que os fornecedores de tecnologia em nuvem assumem muitas tarefas de administração de sistemas principais, incluindo patching, backup, gerenciamento de banco de dados, entre outros.

O relatório avalia que, tradicionalmente, a responsabilidade do CIO era manter os sistemas funcionando e isso absorveu grande parte do orçamento da TI nas empresas, inclusive mão de obra. Contudo, em cenários NoOps, há uma economia de cerca de 20% dos recursos do departamento. Aproveitar disso e gerenciar os recursos para inovação é um dos grandes desafios dos CIOs, segundo a pesquisa.

Para isso, a automação é o ponto focal, afinal, ela possibilita a eficiência e a redução de custos. Isso é importante também para tirar o talento de TI do trabalho rotineiro e de baixo valor, realocando para as atividades mais estratégicas. De acordo com a pesquisa, o objetivo é criar um ambiente de TI NoOps, que seja automatizado e abstraído da infraestrutura subjacente, de forma que apenas equipes muito pequenas sejam necessárias para gerenciá-lo. Os CIOs podem, então, investir o excedente de capacidade humana no desenvolvimento de novas capacidades de valor agregado que podem aumentar a velocidade e a eficiência operacional.

4 – Conectividade de amanhã

Os novos recursos tecnológicos têm impulsionado a conectividade e alterado a forma de nos relacionarmos, com ferramentas de comunicação de alta performance. O relatório mostra que, no futuro, a conectividade pode impulsionar o desenvolvimento de novos produtos e serviços ou transformar modelos operacionais ineficientes.

O estudo afirma que, a partir de agora, uma das principais responsabilidades do CIO será levar os dados de onde eles são coletados para onde serão analisados e até onde são necessários para gerar decisões em tempo real e automatizar operações, em escala e velocidade, em um data center ou na nuvem.

Cada vez mais, as forças tecnológicas dependentes de redes estão transformando a arquitetura corporativa. Por exemplo, a proliferação de dispositivos móveis, sensores, computação sem servidor, volumes explosivos de dados compartilhados e automação exigem conectividade avançada e rede diferenciada. De fato, a conectividade avançada está se tornando rapidamente um dos pilares dos negócios digitais.

As tecnologias e técnicas de última geração, como 5G, satélites de baixa órbita da Terra, redes de malhas, computação de borda e soluções de banda ultralarga prometem melhorias de ordem de magnitude que suportarão recursos de comunicação confiáveis e de alto desempenho, com rede definida por software e função de rede. A virtualização ajuda as empresas a gerenciar as opções de conectividade em evolução. Nos próximos meses, será possível ver empresas de todos os setores e geografias aproveitando da conectividade avançada para configurar e operar as redes corporativas.

5 – Interfaces inteligentes

A usabilidade vem sendo trabalhada fortemente pelos desenvolvedores, com métodos cada vez mais inovadores para facilitar e deixar intuitiva o uso das ferramentas de tecnologia. De acordo com o relatório, as interfaces inteligentes serão recursos cada vez mais utilizados, passando de teclados tradicionais para telas sensíveis ao toque, comandos de voz e muito mais.

Sempre com foco na experiência do usuário, imagens e feeds de vídeo podem ser usados para rastrear ativos, autenticar identidades individuais e entender o contexto de ambientes adjacentes. Além disso, ao intuir gestos humanos, movimentos da cabeça e olhares, os sistemas baseados em IA podem responder a comandos não verbais do usuário. As interfaces inteligentes combinam as mais recentes técnicas de design centradas no ser humano com tecnologias de ponta, como visão computacional, voz de conversação, análise auditiva e realidade aumentada e realidade virtual avançadas. Trabalhando em conjunto, essas técnicas e capacidades estão transformando a maneira como nos envolvemos com máquinas, dados e entre si.

As tecnologias implementadas se tornam uma interface inteligente entre usuários e sistemas, segundo o estudo, isso é apenas o começo. As tecnologias de geração de imagens térmicas podem detectar mudanças nas frequências cardíacas dos clientes. Uma variedade de wearables, desde os smartwatches até os óculos de realidade aumentada, capturam o biofeedback de um usuário. Os dados do smartphone capturados em tempo real que podem alertar os empresários sobre os desejos dos clientes, até as consequentes mudanças na maneira como manipulamos os dados na tela fazem parte desse cenário de interfaces inteligentes.

6 – Além do marketing

Marketing individual e personalizado é possível através das tecnologias certas, focadas na experiência do cliente, com base em coleta de informações. Com isso, CMOs e CIOs estão juntos para elevar a experiência humana, sugere o Tech Trends. As organizações, grandes e pequenas, provavelmente mudarão sua exploração de tecnologia para marketing, deixando os consumidores no comando das estratégias.

No marketing experiencial, as empresas tratam cada cliente como um indivíduo, compreendendo suas preferências e comportamentos. De acordo com o relatório, os recursos analíticos e cognitivos iluminam o contexto das necessidades e desejos dos clientes e determinam a maneira ideal de interagir com eles. Isso porque as ferramentas de gestão de experiência adaptam o conteúdo e identificam o melhor método de entrega em pontos de contato físicos e digitais, criando um envolvimento realmente único com cada um dos seres humanos.

Inclusive, o relatório aponta que estamos em mundo em que uma marca sabe quem você é e o que você quer, e pode entregar o produto, serviço ou experiência que melhor atende às suas necessidades de forma transparente e em tempo real, em canais físicos ou digitais. Soluções como sites, plataformas sociais e móveis, ferramentas de gerenciamento de conteúdo e otimização de mecanismos de pesquisa, são fundamentais nesse processo.

7 – DevSecOps

Investimentos em proteção dos dados é prioridade no novo cenário tecnológico. DevSecOps é o envolvimento de equipes de desenvolvimento, operação e segurança de TI, fundamentais em cenários que existem problemas, inclusive, por mau uso dos sistemas. Segundo o relatório, organizações inovadoras estão incorporando segurança, privacidade, políticas e controles em sua cultura, processos e ferramentas.

O DevSecOps codifica políticas e práticas recomendadas para plataformas, permitindo que a segurança se torne uma responsabilidade compartilhada de toda a organização de TI. As táticas de DevOps estão mudando drasticamente a forma como as organizações de TI inovam. E, no meio dessa transformação, os líderes de TI estão descobrindo que as abordagens de longa data para integrar a segurança em novos produtos não estão acompanhando o desenvolvimento de software de entrega contínua de alta velocidade.

Segundo o estudo, organizações que não incorporam segurança em todas as fases de seus pipelines de desenvolvimento e operações correm o risco de perder muito de seu valor. Todo produto deve ser testado, seguro e confiável. Usuários internos e externos não devem ter que perder tempo lidando com surpresas cibernéticas.

8 – Mapeando o futuro

Organizações estão conquistando melhores resultados quando mesclam inovações tecnológicas com outras oportunidades do ambiente corporativo e do futuro do trabalho. Afinal, dentre as conclusões da pesquisa, tendências de tecnologia não funcionam se aplicadas sozinhas. Desenvolver uma abordagem sistemática para identificar e aproveitar chances provenientes de TI, ciência e negócios é o primeiro passo para desmistificar a transformação digital e torná-la concreta, alcançável e mensurável.

De acordo com o estudo, a tecnologia digital é hoje tão onipresente e acessível que muitas pessoas estão usando-a automaticamente, com pouco ou nenhum conhecimento para criar modelos de negócios e buscar novas oportunidades. Sua influência abrange os limites setoriais, geográficos, culturais e demográficos.

A transformação digital deve estar alinhada com as ambições que a empresa tem para o futuro. Para a Deloitte, a reengenharia de unidades de negócios e processos individuais, ou até mesmo a criação de oportunidades para produtos e clientes específicos, pode ter um impacto mais imediato na competitividade de longo prazo.

Seguindo uma abordagem mais prescritiva para moldar suas metas, as companhias podem concentrar seus esforços digitais com precisão enquanto constroem um mecanismo para levar produtos e serviços digitais ao mercado rapidamente e em escala. Segundo resultados da pesquisa, ao longo do tempo, os objetivos digitais alcançados crescerão e causarão impactos em toda a empresa.

Como mencionado no estudo, a segurança dos sistemas é extremamente importante no cenário atual. Nesse sentido, os dados da sua organização estão protegidos? Quer entender melhor sobre segurança na nuvem? Confira o webinar apresentado por Fabio Hara, Gerente de Marketing de Produto da Microsoft.

Texto com informações divulgadas no relatório Tech Trends 2019: além da fronteira digital, produzido pela Deloitte.