5 dicas na hora de desligar um funcionário

Data 11/07/2017

Desgaste, trauma, ansiedade e outros sintomas negativos fazem parte do desligamento de um funcionário. Quando o assunto é atribuições do RH, falamos muito sobre recrutar, remunerar, engajar e desenvolver pessoas, contudo, as demissões também estão na rotina da área e muitos funcionários ainda não sabem lidar com a situação.

Realmente, não tem como negar a complexidade desse processo. Inclusive, de acordo com a Universidade de East Anglia e do What Works Center for Wellbeing, um órgão independente montado pelo governo do Reino Unido, se recuperar de uma demissão é mais difícil do que superar o divórcio ou ficar viúvo. Além dos efeitos psicológicos, as empresas também sofrem com prejuízos financeiros e impactos nas equipes. Fora isso, é preciso ainda seguir a legislação e evitar ações trabalhistas.

No entanto, esse momento não precisaria ser tão traumático. Para a Diretora de Recursos Humanos da DHL Express Brasil, Kelly El Kadi, o ciclo de trabalho tem começo, meio e fim, e isso deveria ser natural. “Quando o colaborador encerra seu ciclo de trabalho, o desligamento precisa ser feito com o mesmo respeito e responsabilidade que a admissão. Na DHL, já está na cultura de gestão e, portanto, procuramos realizar da forma mais justa e correta possível para o profissional”, complementa a Diretora.

Pensando nas dificuldades desse momento, separamos algumas orientações que podem ajudar você a vencer esse desafio.

Mantenha avalições orgânicas

A decisão de desligar um colaborador acontece por fases. Primeiro, deixe claro as expectativas para aquela função. Depois, tenha uma política de avaliações orgânicas, que aconteçam a cada ação ou projeto entregue. É necessário que o funcionário acompanhe seu desenvolvimento e saiba o nível de sua performance perante à equipe. Dessa forma, caso ocorra a demissão, ela não será uma surpresa.

Reúna dados

Através das avaliações, reuniões e retornos das ações, dados importantes são extraídos e devem ser avaliados. Reúna informações de diversas vertentes e deixe o gestor da área com suporte para a tomada de decisão. Essas informações também servem para que o RH avalie se a decisão tomada é a mais assertiva.

Deixe tudo documentado

Se respalde com documentos por escrito. Os resultados das avaliações e relatórios extraídos dos sistemas que apoiam o RH são fundamentais em todo o ciclo de vida do colaborador, mas, principalmente, no momento de desligá-lo.

Seja claro e direto

Depois que a decisão já está tomada, tenha uma conversa franca e mostre de forma clara e direta os motivos pelos quais o colaborador está sendo demitido. Exponha os dados e documentos que levaram àquela resolução.

Tenha empatia

A porta de saída é a mesma de entrada. Na hora de desligar um funcionário, atente-se ao que ele diz e tenha empatia. É o que afirma Kelly sobre as políticas da DHL:  “Aqui, nós temos muitos colaboradores que saíram porque encontraram outra oportunidade ou por questões pessoais, e depois voltaram. Nós analisamos caso a caso, mas em muitas situações até preferimos contratar ex-funcionários porque eles já têm a ‘cara’ da empresa, conhecem a cultura e o trabalho”.

Sua empresa está preparada para gerir todo o ciclo de vida do colaborador? Você ainda acha que ter todo esse controle de informações é apenas especulação? Assista aqui o webinar “Antes tendência, agora realidade no RH”, conduzido pelo Diretor de Produtos da LG lugar de gente e veja como a Gestão do Capital Humano está fazendo a diferença nos resultados de muitas empresas. 

Compartilhe:

Comentários