5 principais erros na gestão de pessoas em pequenas e médias empresas

Data 20/04/2021

Gerenciar o capital humano, atuar de forma estratégica e atender todas as exigências da legislação trabalhista brasileira são alguns desafios enfrentados pelo RH, sobretudo diante das novidades trazidas pela pandemia. Nesse cenário, identificar os principais erros na gestão de pessoas em pequenas e médias empresas (PMEs) e evitá-los pode ser uma forma de melhorar os resultados do seu negócio.

Afinal, como a crise tem impactado os pequenos e médios negócios? Segundo a pesquisa “Como as PMEs brasileiras enfrentaram a pandemia da Covid-19”, promovida pela Edelman sob encomenda da Microsoft, ela acelerou diversas mudanças na gestão de pessoas no país.

O estudo, que entrevistou proprietários e funcionários de mais de 500 pequenas, médias e microempresas de todo o Brasil, mostra que 42% dos entrevistados aceleraram a adoção do trabalho remoto e 71% das mudanças em recursos humanos foram focadas em políticas de home office. Além disso, o levantamento revelou que 83% dos participantes acreditam que a adoção de novas tecnologias é o aspecto mais importante para a recuperação econômica das PMEs brasileiras.

Esta realidade é confirmada por Viviane Lacerda, Diretora de Operações da LG lugar de gente, que acompanha de perto os desafios para a gestão do capital humano em PMEs. Ela elencou os cinco principais erros na gestão de pessoas em pequenas e médias empresas e deixou dicas de como superá-los. Confira:

Erro 1: Deixar de investir na cultura da empresa

Viviane explica que alguns paradigmas devem ser quebrados em relação à cultura e que isso tem se manifestado como um dos principais erros na gestão de pessoas em pequenas e médias empresas.

“Vemos uma dificuldade em evoluir mais rapidamente na cultura de gestão estratégica de pessoas no que diz respeito a valorizar trabalhadores, promover processos mais estruturados e oferecer experiências interessantes para o colaborador”, afirma a Diretora.

Ela destaca que há uma certa negligência na promoção da qualidade de vida no trabalho. “É fundamental que esses colaboradores produzam mais, tragam mais resultados e permaneçam na empresa por mais tempo. Se a organização tem um turnover muito alto, gera despesas e um custo altíssimo. Por isso, é importante estimular a cultura de valorização das pessoas. Assim, estaremos diante de trabalhadores mais satisfeitos, que vão permanecer na casa mais tempo e contribuir ativamente para os resultados da empresa”.

Erro 2: Não considerar a tecnologia no orçamento da área

Um dos principais erros na gestão de pessoas em pequenas e médias empresas é acreditar que, por ter um orçamento mais restrito, não se deve investir em tecnologia para a melhoria dos processos.

“Existe, hoje, uma cultura ainda vulnerável na gestão de pessoas das PMEs no que diz respeito a promover uma forma estratégica para desenvolver e valorizar seus talentos. Observo que há uma restrição de investimentos, contudo vale ressaltar que investir em tecnologia para uma gestão de pessoas mais digital está diretamente ligada aos resultados de cada colaborador, cada departamento e da empresa como um todo.”

A Diretora aponta que o mercado oferece soluções importantes para essas organizações, dentro de seus orçamentos, mas muitas seguem na crença de que a tecnologia para gestão de pessoas não serve aos seus contextos.

No entanto, ela ressalta que há diversas soluções que se adequam perfeitamente às pequenas e médias empresas. “As pessoas são nosso maior ativo dentro das organizações, então por que não fazer o melhor dentro de um orçamento que eu possa investir? Com certeza, os resultados serão colhidos como um retorno importante para o negócio”.

Erro 3: Se ater somente às obrigações legais

Viviane levanta que um dos mais importantes erros na gestão de pessoas em pequenas e médias empresas está no fato de que, muitas vezes, há uma preocupação exclusiva com as exigências de regularização.

“Não só as companhias familiares, como grande parte de outras PMEs, mantém o hábito de cumprir apenas com suas obrigações legais. Nesse sentido, o desenvolvimento, a retenção de talentos e o foco em melhores benefícios acabam ficando em segundo plano e prejudicando o crescimento do negócio”, destaca ela.

Erro 4: Ter processos operacionais manuais

Um dos mais relevantes erros na gestão de pessoas em pequenas e médias empresas mora nas burocracias diárias do setor. “O trabalho operacional, quando feito de maneira manual, leva a erros de cálculos, retrabalho e demora no tempo de resposta para o colaborador. Além disso, toma um período importante da área que poderia ser investido em uma gestão mais estratégica de pessoas”, explica Viviane.

A profissional ainda esclarece que as consequências recaem sobre os ganhos do próprio negócio. “O cálculo errado gera o imposto incorreto, que vai criar insatisfação e desengajar o colaborador. Todo esse processo tem um efeito dominó, com vários prejuízos em diferentes níveis”, explica.

Erro 5: Acreditar que tecnologia desumaniza o trabalho

Hoje, em qualquer segmento ou porte, as empresas têm tecnologia a seu favor e negar o investimento nessas soluções está entre os principais erros na gestão de pessoas em pequenas e médias empresas.

A tecnologia traz ganhos operacionais para o próprio time de RH, respeita a segurança de dados e permite que a área ganhe espaço para ser mais estratégica. Não é mais uma questão opcional, pelo contrário, é imperativo para o crescimento das pequenas e médias empresas”, garante Viviane.

A líder defende que a automação é capaz de transformar a realidade das organizações, influenciando a relação com clientes, colaboradores e processos. “Uma gestão de pessoas mais automatizada reduz custos, aumenta a produtividade, facilita o acesso do colaborador aos serviços do RH, como recibos de pagamentos, informe de rendimentos, solicitação de férias, dados cadastrais, dentre outros, e a otimização das atividades do RH podem reduzir o tempo de execução em até 60%”.

Viviane argumenta que, além do ganho de tempo, há um grande retorno financeiro. “A tecnologia permite que a empresa se volte às questões mais cruciais para seu sucesso, ao invés de estar o tempo todo só fazendo trabalho rotineiro e manual. Ela ainda contribui para uma perspectiva ágil de implantação, com investimento adequado ao tamanho do negócio, ajustado à sua complexidade e às suas demandas específicas”.

Bônus: O que você está perdendo

O que acontece ao cometer esses erros na gestão de pessoas em pequenas e médias empresas? Para Viviane, a área e a empresa como um todo podem ter prejuízos.

“Todos esses problemas refletem na marca empregadora, que permanece em baixa visibilidade e falta de admiração do público. Muitas organizações não percebem que seus resultados estão sendo prejudicados justamente pela falta de investimento em tecnologia para a gestão de pessoas. Os custos envolvidos nesses erros, as despesas diretas e indiretas, muitas vezes não são colocadas no papel pelas gerências”, diz a especialista.

É por esses motivos que Viviane aconselha que toda pequena e média empresa deve investir em inovação para gestão de pessoas. “Hoje, as tecnologias são mais flexíveis. Com um parceiro confiável, é possível entregar uma excelente solução e obter retorno significativo para o seu negócio”, finaliza.

Quer evitar todos esses erros na gestão de pessoas em pequenas e médias empresas? Invista em uma solução se adeque à realidade da sua organização. Clique aqui e veja como a LG lugar de gente pode contribuir com você.

Compartilhe:

Comentários