fbpx

Qual a importância da gestão da diversidade nas empresas?

Data 05/06/2017

Realizar a gestão de pessoas em uma empresa não é tarefa fácil. É preciso lidar com toda a parte legal e ainda atrair e recrutar talentos, planejar capacitação, disseminar a cultura da empresa, entre outras atividades. Além disso, há a necessidade de fazer com que a companhia englobe cada vez mais diversos perfis de colaboradores, para conseguir atender e representar a sociedade atual. Nesse sentido, fazer a gestão da diversidade, representa um grande desafio para os RHs.

A diversidade dentro das empresas pode referir-se a competências, habilidades, gênero, experiência, idade, origem social ou cultura. Com essa amplitude, torna-se necessário uma atenção maior do RH para conseguir captar esses perfis e realizar a integração organizacional, garantindo os melhores resultados para o negócio.

Panorama da diversidade nas empresas

De acordo com Ruy Shiozawa, CEO da Great Place to Work (GPTW) Brasil, que realiza pesquisas em empresas de 57 países, muitas companhias no Brasil e no mundo estão se atentando para aumentar a diversidade em suas equipes. “O tema está ficando em evidência, já que o que acontece na sociedade reflete nas organizações. Uma das tendências nas organizações em 2017 é a intensificação da importância da pluralidade de suas equipes. Elas já perceberam que quanto mais diversificados os perfis de seus líderes e colaboradores, maiores as chances de inovação – que vem sendo considerada primordial para manter os negócios – já a que a troca de ideias entre pessoas com pensamentos diferentes colabora com esse ambiente”, afirma o CEO.

Um comparativo entre as pesquisas realizadas pelo GPTW para levantar “As 100 Melhores Empresas para se Trabalhar” mostra que houve um aumento no número de mulheres ocupando cargos de liderança. “Em 1997, tínhamos cerca de 11% de mulheres como líderes nas empresas premiadas – aqui podemos considerar que nas não premiadas era muito pior. Já em 2016, esse percentual aumentou para 33%. Apesar de ter crescido, o número ainda é muito baixo”, ressalta Ruy.

Ainda existem muitas diferenças com relação ao tratamento que é dado as diversidades nas empresas. O levantamento brasileiro com o comparativo de salários entre homens e mulheres que ocupam o mesmo cargo dentro das organizações apontou que remuneração das mulheres ainda é mais baixa. Segundo Ruy “a diferença é tanta que podemos afirmar que de 1 janeiro a 4 de abril de 2017 as mulheres trabalharam ‘de graça’, considerando a diferença de valores”.

De acordo com Ruy, uma pesquisa realizada no pelo GPTW no Brasil, em 2016, mostra que entre diretores e líderes de empresas há cerca de 1 negro a cada 50 brancos. Outro dado apontado pelo levantamento é de que 7% das organizações disseram que não contratariam um talento se soubessem que o candidato é homossexual, independentemente de sua qualificação profissional.

Mas por que essa deve ser uma preocupação das empresas?

A variedade de perfis nas equipes pode fazer com que a companhia consiga lidar melhor com os desafios da globalização — fusões, aquisições e turbulências do mercado. Ao falar sobre os benefícios dessa pluralidade, Ruy é categórico “A diversidade nas empresas pode contribuir para aumentar a criatividade das equipes, melhorar a qualidade do ambiente interno, humanizar as relações e ampliar o conhecimento de mercado. Ela é a garantia, fator crítico e de sucesso para que a inovação ocorra nas empresas”, afirma o CEO.

Como sua empresa tem gerenciado a diversidade dos seus colaboradores? Na última edição da Revista Huma falamos sobre como lidar com equipes multigeracionais. Faça o download gratuito e confira as dicas que separamos para você!

Compartilhe:
Comentários