Subjetividade fica no passado quando o assunto é tomada de decisão sobre pessoas

Data 17/07/2017

Contratações, desligamentos e promoções baseadas apenas em feeling ou relacionamento? Dados sobre resultados obtidos com treinamentos perdidos ou deixados de lado? Mesmo trabalhando com pessoas e a subjetividade que as envolvem, com People Analytics as decisões sobre Gestão de Pessoas passam a ser fundamentadas em análises de informações dos diversos sistemas de gestão da empresa, incluindo as soluções de Gestão do Capital Humano (HCM). Afinal, os avanços tecnológicos em computação já permitem a antecipação de tendências e a tomada de decisão baseada em análises preditivas e indicadores cruzados.

“Entramos em uma nova era, na qual a ciência de dados permite aos gestores e ao RH que definições sejam feitas com base no cruzamento inteligente de informações sobre as pessoas e também possibilita mensurar o impacto de cada ação”, é o que afirma Felipe Azevedo, Diretor de HCM da LG lugar de gente.

Segundo um estudo realizado pelo IBM Institute for Busines Value Cognitive Computing, apresentado pela PricewaterhouseCoopers (PwC) em 2016, um dos principais desafios dos profissionais de RH é correlacionar os indicadores e dados de seus funcionários com os objetivos estratégicos da empresa. O estudo também levantou que 67% das organizações esperam maior assertividade na tomada de decisões e 61% anseiam e acreditam em um RH mais estratégico. Porém, apenas 18% têm a alta administração utilizando as informações da área em seus planejamentos.

People Analytics: como funciona?

O People Analytics acontece em quatro níveis: coleta, cálculo, análise e modelagem. O primeiro diz respeito a relatórios com informações básicas, como dados demográficos, seguido do cálculo de estatísticas e comparações para se planejar ações de curto prazo. Após essa etapa, existe o mapeamento entre os dados e relações de causa e efeito. E, então, o uso dos indicadores para projetar e planejar o futuro.

Sendo assim, com o People Analytics, a empresa coleta dados de diferentes fontes, como folha de pagamento, gestão de desempenho, treinamentos, redes sociais, metadata (dados sobre dados), reviews de usuários, resultados de vendas, entre outros. As informações são processadas, organizadas e apresentadas através de dashboards para líderes e para a área de RH, de tal forma que seja possível reconhecer soluções para problemas enfrentados ou antecipar possíveis gaps.

Para iniciar, as empresas precisam contar com sistema e soluções de tecnologia mais confiáveis e adequadas, o que é a ambição para 46% dos entrevistados da pesquisa mencionada. “É indicado que a empresa já tenha evoluído de relatórios padrão para o real gerenciamento e cruzamento de indicadores de desempenho (KPIs) e que já tenha os processos de gestão de pessoas estruturados na Suíte Gen.te da LG lugar de gente”, complementa o Diretor.

Quer saber quais outras ações são fundamentais para o RH? Clique aqui e faça agora mesmo o download gratuito do eBook “Gestão de Capital Humano: 6 atitudes que o RH precisa ter”.

Compartilhe:

Comentários