fbpx

Saúde mental no ambiente de trabalho: como ser mais assertivo na promoção do assunto?

Data 08/09/2021
Dois profissionais conversando

Você tem notado que, cada vez mais, a pauta da saúde mental no ambiente de trabalho tem se tornado central nas empresas? O que sua organização pode e deve fazer para contribuir com bem-estar dos colaboradores? Qual o papel do RH nesse processo? Como as organizações podem ser mais assertivas na promoção do tema?

Essas são questões importantes para iniciar o acompanhamento e cuidado do bem-estar do colaborador, que ganharam ainda mais importância com a pandemia da covid-19. Segundo o relatório “Tendências de Gestão de Pessoas em 2021”, realizado anualmente pelo Great Place to Work (GPTW), a saúde mental foi citada por 38% dos respondentes como o principal tema de gestão de pessoas a ser trabalhado pelas companhias.

A pesquisa, que reuniu 1.724 respondentes, sendo 358 representantes da alta liderança (C-level e diretoria), apurou que 71% dos participantes acreditam que a saúde mental no ambiente de trabalho é um ponto relevante para a gestão de pessoas na sua empresa. E que não só os programas específicos em saúde mental são fundamentais para lidar com a questão, bem como o envolvimento da liderança no assunto.

Para 30% dos respondentes, esse despertar em relação à importância do tópico e a necessidade de ações por parte da organização se deu justamente por conta dos efeitos da pandemia. O estudo também investigou o entendimento sobre o significado de cuidar da saúde mental dos trabalhadores e como essa questão se traduz na prática.

Assim, para 45% dos participantes, a prevenção da saúde mental do colaborador, tem sentido de identificar as fontes de estresse e atuar sobre as causas com o objetivo de promover um ambiente mais saudável.

Guilherme Malaquias, Médico do Trabalho e Psiquiatra Founder da Herah, explica que a maioria dos transtornos mentais se desenvolvem e evoluem a partir de fatores biopsicossociais, ou seja, da relação entre o indivíduo e o ambiente. “Apesar de parte deles vir de uma herança genética, a maioria pode ser identificada e monitorada, permitindo um melhor controle e promovendo mais segurança psicológica para os seus portadores. Por outro lado, caso essa identificação e controle não ocorram, podem surgir o que chamamos de riscos psicossociais”, esclarece.

Dois protagonistas: ambiente e indivíduo

Guilherme revela que a saúde mental é regida por dois fatores principais: o ambiente e o indivíduo. Nesse contexto, é importante ressaltar que o espaço de trabalho vai muito além da situação do escritório. “No universo corporativo, o espaço laboral não é apenas o local de serviço ou as suas condições locais. Devemos considerar ainda outros fatores, como função e cultura organizacional, o papel do colaborador na empresa, seu desenvolvimento de carreira, amplitude de decisão/controle, relacionamentos interpessoais, interface casa/trabalho, desenho de tarefas, carga e cronograma de atividades”, enumera.

No que diz respeito aos indivíduos, devemos sempre lembrar que cada colaborador também é humano. “Todos nós temos diferentes personas sociais: diretor, gerente, operador etc., mas o que temos em comum em todos os cenários? Pessoas. Logo, não podemos esquecer da vida privada e de suas particularidades”, alerta.

Papel do RH na promoção da saúde mental no trabalho

Para o médico, a responsabilidade sobre a saúde mental no ambiente de trabalho deve ser compartilhada entre os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT) e o RH. Tudo, de forma que a mensuração dos riscos seja realizada a partir da percepção dos colaboradores.

Com base nisso, Guilherme sugere o uso de ferramentas para auxiliar nessa tarefa. “Isso pode ser feito através de ferramentas quantitativas e qualitativas, periodicamente, possibilitando, assim, um monitoramento contínuo e a identificação de oportunidades de intervenção”, aconselha.

Após um diagnóstico ambiental, as medidas escolhidas tendem a ser mais eficientes. “Conhecendo detalhadamente o problema de cada profissional, podemos ser mais assertivos”, completa.

No entanto, a equipe de RH deve atentar-se para a importância de haver uma parceria com especialistas. “É fundamental a participação de um profissional experiente no tema para corroborar com os diagnósticos encontrados e conduzir as intervenções necessárias. O processo de saúde ocupacional é médico, então, não podemos esquecer da importância dessa autoridade no processo”, ressalta.

Por fim, Guilherme alerta que apenas contratar uma plataforma de atendimento psicológico on-line ou realizar medidas isoladas, por exemplo, sem investigação e identificação prévias, poderá não resolver o problema. “Dessa forma, o diagnóstico, seja ambiental ou individual, é essencial para que qualquer ação implantada em prol da saúde mental dos colaboradores em uma empresa seja mais assertiva, logo, mais eficiente”, conclui.

Gostou do tema? Quer ficar por dentro deste e outros assuntos relevantes para o seu RH? Assine a Newsletter Huma, e receba gratuitamente toda semana, novidades da área no seu e-mail.

Compartilhe:
Comentários