Absenteísmo: 45% das faltas ao trabalho não são justificadas, diz estudo

Data 16/11/2011

As faltas e atrasos dos colaboradores ao local de trabalho, às vezes pontuais e isoladas, podem fazer uma grande diferença. De acordo com um estudo realizado pela Clínica Delphi de Medicina e Segurança do Trabalho, 45% dos casos de ausência de funcionários ao trabalho não têm justificativa.

A pesquisa apontou ainda que os motivos reais comprovados para o absenteísmo, nome dado ao fenômeno de ausência ao serviço, correspondem a 55% do total de casos. Foram pesquisadas 241 empresas no estado do Rio de Janeiro, a maioria no Grande Rio, de maio a setembro deste ano. As principais razões para a falta ao trabalho são doenças e cirurgias relacionadas à coluna vertebral e fraturas ou lesões nos membros inferiores.

Outras patologias responsáveis por afastar trabalhadores do serviço incluem depressão, conjuntivite e tendinite nos membros superiores. As ausências justificadas por doenças e cirurgias podem ser reduzidas através de programas de prevenção realizados para garantir melhor qualidade de vida ao trabalhador. Esse tipo de programa é organizado pela Clínica Delphi em conjunto com a empresa, a partir dos problemas de saúde apresentados pelos funcionários.

Para o engenheiro e perito da Delphi, David Gurevitz, o controle de absenteísmo foca, inicialmente, na redução dos casos desnecessários de falta ao trabalho, reduzindo em 30% as ocorrências nos primeiros 60 dias. O projeto inclui estímulos à ginástica laboral, alimentação saudável e redução de peso. A prática de atividades físicas e campanhas de higiene também afetam diretamente as principais causas de absenteísmo.

Essa notícia foi publicada no Administradores, em 14/11/2011.