Ponto eletrônico: bom para quem?

Data 13/07/2011

Com a obrigatoriedade em empresas com mais de 10 funcionários adiada para setembro, o sistema registro de ponto eletrônico ainda enfrenta algumas resistências e deixa algumas dúvidas, tanto para empresas quanto para trabalhadores. Afinal, o que muda? Como o novo sistema interfere nos negócios e na rotina de trabalho? Alguém ganha com isso? Alguém perde?

Para Marcelo Moleiro, coordenador do departamento jurídico da NK Assessoria Contábil e Fiscal, a mudança tem aspectos positivos e negativos. "Entendo que as empresas poderão exercer um maior controle sobre as jornadas, inclusive quanto à compensação das horas, desde que previamente previstas nos acordos coletivos", destaca.

"Como ponto negativo, aponto a emissão dos comprovantes para cada vez que o empregado registrar sua entrada ou saída, o que vai na contramão de todos os esforços empreendidos para redução de utilização de papel, como medida de preservação do meio-ambiente. Como alternativa, esses equipamentos poderiam facultar aos empregados a emissão ou não do comprovante, o que certamente reduziria a emissão de papeis", destaca Moleiro.

Para os trabalhadores, o mecanismo eletrônico deve tornar mais claro o registro das horas trabalhadas, evitando possíveis manipulações, já que serão sempre emitidos comprovantes instantâneos.

"Os empregados poderão fiscalizar as horas efetivamente registradas como entrada e saída no equipamento, em razão da emissão dos comprovantes, evitando, assim, a possibilidade de manipulação dos horários que eram registrados nos equipamento convencionais, inclusive porque tais comprovantes servem de prova da entrada e saída", afirma Moleiro.

Essa notícia foi publicada no Administradores, em 08/07/2011.

Comentários