O papel da liderança na comunicação interna

Data 09/05/2016

*Por Radamés Martini

autoatendimento

Richard Edelman, Presidente e CEO da americana Edelman, empresa especializada em comunicação e marketing, usou o termo “diretor de engajamento” para descrever o papel de um CEO, quando se discute como os líderes devem atuar para recuperar a confiança das empresas. Para ele, ao invés de simplesmente formular políticas, os CEOs devem atender às demandas internas e externas, relacionando-se e realmente ouvindo as pessoas. CEOs e suas organizações são naturalmente ligados. Em casos em que também são fundadores, essa relação é ainda mais íntima e define o DNA corporativo.

Se considerarmos a cultura da Apple e do Facebook, por exemplo, ambas são ligadas aos seus fundadores, Steve Jobs e Mark Zuckerberg, respectivamente. Do ponto de vista público, os líderes são a “cara” e a voz das empresas. São eles que moldam a organização aos olhos dos atores internos e externos. O CEO, como principal líder, deve apoiar e participar da comunicação e, se preciso, criar estratégias eficazes para que ela aconteça.   

Entretanto, o mais importante é que os CEOs atuem como “diretores de engajamento”: interagindo diretamente com seus colaboradores, inspirando lideranças e promovendo uma comunicação mais próxima. 

Isso é relevante em nosso momento social, no qual hierarquias de comunicação foram obscurecidas pelos recursos eletrônicos e as tratativas pessoais estão enfraquecidas. Fortalecer esse canal é trabalho do líder, que com essa aproximação reduz gastos e se permite participar da vida dentro da empresa de forma amigável, autêntica e informal. No entanto, antes de estar entre a “galera” é preciso se perguntar: por que isso é importante? De acordo com Linjuan Men, pesquisadora da Universidade da Flórida, que ouviu 545 colaboradores nos EUA, a resposta está nos seguintes itens:

– A qualidade da comunicação é influenciada pelo CEO: quando os colaboradores percebem a comunicação do CEO como excelente, a percepção é de que ele é especialista altamente crível, confiável, habilidoso e com altos níveis de conhecimento.

– A credibilidade do CEO constrói a reputação interna: ao notar as qualidades citadas acima em seus CEOs, os funcionários tendem a expressar mais confiança e ter uma avaliação mais favorável da reputação da organização. 

– A comunicação dos CEOs capacita funcionários: quando a comunicação dos CEOs é eficaz, ou seja, de duas vias, aberta, receptiva, sincera e respeitosa, ela pode incutir o senso de poder e apreço. Tais esforços criam uma força de trabalho habilitada que é feliz e mais comprometida com a organização.

– Uma comunicação efetiva molda melhores líderes: a liderança é promulgada por meio da comunicação. Se feita de forma eficaz, é a chave para alcançar uma cultura transformadora, autêntica e participativa. 

Eficaz ou não, a comunicação entre CEO, líderes e colaboradores influencia as percepções criadas na empresa.

*Radamés Martini é administrador de empresas com MBA em Gestão de Projetos, fundador e CEO da SocialBase – plataforma de comunicação corporativa, que visa melhorar a comunicação nas empresas e a produtividade dos colaboradores.

Sua empresa precisa de uma ferramenta que transforme seus colaboradores em participantes ativos dos processos de RH?

Com o Gen.te Agrega – Autoatendimento, é possível centralizar os serviços de gestão de pessoas em um só local, reduzindo custos, facilitando os processos e otimizando o tempo gasto da sua equipe.

Quer saber mais? Entre em contato com a LG!

 

Notícias relacionadas: 

Comunicação interna em pauta

Comunicação interna se faz com tête-à-tête

 

Comentários